Porque hoje é domingo (41)

Quando Jesus se aproximava da porta da cidade de Naim, saía o enterro de um jovem, filho único de uma viúva. Uma multidão numerosa da cidade o seguia. Ao ver a pobre mãe encharcada em lágrimas, o Senhor teve compaixão e tentou consolá-la dizendo: “Não chores!” E, aproximando-se, tocou o caixão. Os que o carregavam, pararam e Jesus disse:“Moço, eu te ordeno, levanta-te”.

O morto sentou-se e começou a falar, e Jesus entregou-o à mãe. O medo apoderou-se de todos, e louvavam a Deus, dizendo: “Um grande profeta surgiu entre nós, Deus visitou seu povo”. A notícia correu por toda a Judéia e não só.


Quem sou eu para duvidar de Lucas, médico solteiro e sem filhos, padroeiro de médicos, curandeiros e pintores? Interrogo-me apenas se ele se responsabiliza pelos factos ou tão só por lhe terem contado – que uma coisa é “eu vi” e outra bem diferente é “eu ouvi dizer”… (Lc 7, 11-17)

Mas dêmos por boa a informação, que eu já estou por tudo para não tirar a esperança nos milagres, que é o que nos resta. A questão que não posso ignorar é que o Filho de Deus seja tão piedoso quando se trata de um caso singular e seja tão indiferente quando se trata dos milhares de jovens, crianças, mulheres e homens que ainda hoje continuam a morrer em catástrofes e combates, por este mundo… de Deus. Ele que era sírio, ao que consta, sabe bem do que eu estou a falar.

Certo é que, enquanto “Deus escreve direito por linhas tortas”, como Passos Coelho, as vítimas vão-se amontoando a torto e a direito.




NOTA:
A foto inicial refere-se a uma mulher palestina, refugiada de um acampamento no norte da Faixa de Gaza, chorando a morte de dez parentes, durante o funeral na Jebaliya, em 2009.
(Recortada em valeriareis.blogspot)

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home