Os representantes representam

e os actores também

Servem os nossos votos para designar as pessoas que nos hão-de representar no parlamento, na presidência da república e nas autarquias. Quando eles pensam, quando eles falam, quando eles decidem, é por nós que pensam, é por nós que falam, é por nós que decidem.

Neste aspecto da representação se distinguem os políticos, dos actores, mas as semelhanças formais são mais que as diferenças.

Rui de Carvalho representa o Rei Lear? O Rui, o seu corpo e a sua voz estão ali apresentados; o Rei Lear, as suas roupas, palavras e gestos, estão ali representados.O que representa está “no lugar de” por incapacidade física ou intelectual deste. O meu advogado, sindicato, partido, deputado, governo ou presidente, ocupam o meu lugar – o meu! Mas isto é o conceito em que se baseia a legitimidade dos representantes. Investidos, porém, de competência delegada, tomam geralmente essa representação autorizada, por autoridade soberana - já só se representam a si próprios.

No Teatro, tal abuso faria com que o actor que interpreta o papel de Bruto na peça Júlio César, por exemplo, se sentisse autorizado a matar o actor que interpreta o papel do rei, sem que este tivesse sequer tempo para pronunciar a sua deixa: “Também tu, Bruto, meu filho”.
Na verdade, a personagem não é o actor, o auto-retrato não é o pintor e o Presidente da República não é o Povo – por melhor que representem !

Etiquetas: , ,

4 Comments:

Blogger esquise said...

Anto, no seu melhor. Como sempre.
Saudades**

14 janeiro, 2010  
Blogger Mariquinhas said...

Delicioso! Com um pouco de "contenção", quem sabe, talvez o actor agisse só depois da "deixa".;))

14 janeiro, 2010  
Blogger intimidades said...

sera que alguma vez o povo foi representado?

Jokas
Paula

14 janeiro, 2010  
Blogger antónio m p said...

Olá, "esquise"sinha. Bem aparecida. Tenho que passar pelo seu mostruário. Acho que estou a precisar de uma pulseiras novas, hehe. Bjinho.

Olá Mariquinhas. sabe como é este povo; assim que morrem, já não querem fazer mais nada. Fez-me rir.

Olá, Intimidades. Em última análise ninguém representa ninguém senão de forma relativa, mas o poder de representação não se contenta com pouco - tem sêde de poder. Depois, o Povo é muita gente... Jokas

15 janeiro, 2010  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home