26/04/2018

Propriedade e autoria

Sim, todos são proprietários do regime democrático. Mas nem todos foram os seus autores.

20/04/2018

Canel contra Canel ?



Ao novo presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, muitos desejam sorte, mas do que ele precisa é de inteligência - da sua, da população e da "comunidade internacional".

O que é pedir muito!


Quanto às mudanças necessárias, as opiniões dividem-se. Quanto à estratégia a seguir, que lhe sirva a tese marxista segundo a qual "as mudanças quantitativas operam mudanças qualitativas". Não sei se me faço entender...

16/04/2018

As guerras de Macron

O general Vincent Déport, antigo director da escola de guerra de França, quando lhe perguntaram se o ataque contra a Síria foi legítimo, respondeu: “não sei se o ataque é legítimo mas é necessário”. Por sua vez, François Hollande, antigo presidente da república francesa, considera o ataque “justificado”. 

Quanto ao actual presidente francês, Emmanuel Macron, que está eufórico com a demonstração do seu poder militar em acção real, declarou neste domingo, em entrevista na BFMTV, que o ataque foi mesmo legítimo, invocando umas imagens de dois ou três miúdos a levar umas mangueiradas numa sala incaracterística.


(foto recortada em globo.com)

Se foi necessário, justificado, legítimo ou simplesmente.. conveniente às estratégias politicas de Emmanuel Macron e Theresa May é o que a História acabará por revelar a seu tempo que não é o tempo deles. Mas algumas coisas sabemos já seguramente:

- as primeiras vítimas dos ataques são os cidadãos que pagam impostos aos estados atacantes para estes brincarem às guerras;
- o ataque não esperou pelas conclusões científicas sobre a origem das armas químicas, havendo mesmo quem admita que elas foram fornecidas pelo “ocidente” a grupos sírios de oposição ao presidente Assad;
- o ataque não afecta “o regime de Assad” nem garante a eliminação das alegadas armas químicas;
- o ataque reforça o apoio dos cidadãos sírios ao seu presidente, eles que são sempre as vítimas trágicas de todos os ataques;
- o ataque consolida as alianças da Síria com a Rússia e outros aliados de Assad;

- o ataque beneficia as organizações terroristas que combatem na Síria;
- o ataque é um traque na paz mundial.

15/04/2018

Eles andam aí...

Le fondateur de la France insoumise, Jean-Luc Mélenchon, devait retrouver à Lisbonne, jeudi soir, Pablo Iglesias (Podemos, Espagne) et Catarina Martins (Bloco, Portugal) pour lancer un nouveau mouvement politique européen. (L'HUMANITÉ)





10/04/2018

Políticas venenosas


Passado o prazo de validade mediática do caso Serguei Skripal, ex-agente duplo russo-britânico, a primeira-ministra britânica Theresa Mary retoma agora a cartada do ataque químico na Síria, para manter os afectos feridos com a União Europeia e os Estados Unidos da América.

Uma vez mais estes aliados estratégicos dizem que “acreditam” na sua própria versão e mais uma vez adiantam acusações e prepararam-se para “retaliar”. Que "o regime" sírio negue e que a Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) ainda esteja a investigar as acusações é o que menos interessa para os fins que prossegue "o regime" da UE e dos EUA, claro.

Porque será que isto nos faz lembrar o suposto ataque atribuido ao “regime sírio” em... Abril de 2017?

O melhor é reler o artigo que AQUI publiquei então.