11/08/2018

A CP não anda boa

Já não estou certo de que o lema tenha existido mesmo. O certo é que se contava que a companhia portuguesa de caminhos de ferro, fazendo propaganda das velocidades de deslocação que proporcionava, teria criado a divisa: «A CP NÃO ANDA, VOA»

Isto mereceu a seguinte resposta à moda do Norte: 
«A CP NÃO ANDA BOA».

Para todos os efeitos, no contexto actual, a CP não voa, não anda boa e quase não anda.

A porta-bocas do CDS diz que a culpa é do "governo das esquerdas" como se não soubesse que...


Há menos de uma semana surgiu a notícia de que administradores da Companhia se teriam demitido. O Governo respondeu com a notícia de que os administradores continuavam em funções - o que só aparentemente desmente a notícia anterior como se viu a seguir com a nomeação de novo administrador que, "por acaso", também não é "das esquerdas", antes pelo contrário.

Sim, a CP está uma vergonha, mas ainda a procissão vai no adro e os comboios na estação. O que tudo indica é que a culpa é da pressão nas caldeiras da política em que os gestores são  acusados de não investir na estrutura e o Governo é acusado de não pagar à CP as "indemnizações compensatórias" devidas pela prestação de serviço público. E a gente é que se... (como é que se diz no Norte?) 

O quadro acima foi recolhido em O Tempo das Cerejas

04/08/2018

O partido que fazia falta

Misericórdia! Santana Lopes quer criar um partido – o seu partido! Já recebeu o apoio da mulher actual e outras que fizeram o favor de o aturar, incluindo a filha de Kaúlza de Arriaga que não tem culpa de o ser. Não é de estranhar que Santana recolha apoios também entre a sua prole que Deus quis que fosse grande ao dar-lhe inclusivamente dois pares de gémeos que também não têm culpa de nada.

Com o devido e merecido respeito por todos os familiares, Santana não se pode  queixar de falta de apoios domésticos, suponho!, mas talvez precise, digo precisasse, de mais alguns para formar um partido político desses que contam para o campeonato. De resto, ele não liga a isso dos apoios; afinal o partido é dele e só dele.

Tendo-se reformado com 49 anos, de idade e não de trabalho, tem “andado por aí”, como ele diz, a botar faladura, digo eu, mas também a gerir a Santa Casa da Misericórdia com muito suor, graças a Passos Coelho. Apostou em Cavaco Silva, apostou na privatização de empresas de Comunicação (Record, Diário Popular...) e outras em geral. É claro que também deu aulas – quem é quer não deu?

Entre aquilo tudo a que se candidatou e algumas coisas que conseguiu, conta-se a presidência da Câmara da Figueira da Foz, parabéns! Mas vale a pena lembrar, por razões de oportunidade “desportiva”, que chegou a ser presidente do Sporting onde acabou com o futebol feminino, voleibol, hóquei em patins e basquetebol.

Cá p’ra mim, Santana vai de patins antes de calçar as botas de presidente do seu partido unipessoal. A soprar nesse sentido já se perfilam Rui Rio, Marques Mendes, Durão Barroso, Manuela Ferreira Leite e, para abreviar, o próprio Marcelo Rebelo de Sousa. A rir baixinho, muitos outros.

Desde que não se candidate a coordenador da protecção civil, vá pr’á frente, Santana. E viva o PUS – Partido Unipessoal de Santana!

16/07/2018

A estupidez

"Só duas coisas são infinitas, o universo e a estupidez do ser humano, mas não estou seguro sobre o primeiro". 



Não é por ter sido Albert Einstein a dizê-lo, é porque esta ideia me anda a zumbir no cérebro a cada passo. Saio à rua e confronto-me com transeuntes estúpidos, condutores estúpidos, comerciantes estúpidos, empregados estúpidos, médicos estúpidos. 

Há um grupo social que costuma ser menos estúpido do que os restantes: os políticos! Infelizmente é pelas piores razões: porque a animosidade  dos seus clientes e o escrutínio dos seus concorrentes os obriga a cuidarem permanente das palavras e das acções - é daqui que nasce o conceito de "politicamente correcto". Mas é indisfarçável que até na política há excepções, uma pelo menos, como se revela em Donald Trump. 

Para ser rigoroso, no entanto, deveria analisar com objectividade se não há uma lógica de fundo nas suas posturas estúpidas. Quanto mais não seja a ideia de que o que importa não é dizer a verdade mas sim "as verdades" que a clientela quer ouvir. Ressalve-se que a clientela é a que forma a opinião pública e não a opinião publicada - nunca é demais lembrá-lo.

29/06/2018

José Manuel Tengarrinha

Interrompo o longo silêncio que venho mantendo neste blogue, para registar o meu sentido pesar pela morte de José Manuel Tengarrinha. 

Não se entendam estas palavras com ligeireza porque é tão profundo o meu pesar quão grande é a admiração que sempre tive pela sua generosa e corajosa dedicação à luta antifascista, desde a minha adolescência no Portugal salazarista. Mas não menos admiração pela sua personalidade, seja na sua cumplicidade com o Partido Comunista Português, seja no distanciamento discreto que manteve em relação a este partido - eu diria em relação a alguma "vanguarda" dirigente do PCP - em diferentes circunstâncias. 

Soubesse eu gritar quanto lhe devo, quanto lhe devemos todos - os que o sabem e os que não o sabem. Afinal, mais que um sentimento de pesar é um sentimento de pertença a uma causa que justificou muitas vidas.


26/04/2018

Propriedade e autoria

Sim, todos são proprietários do regime democrático. Mas nem todos foram os seus autores.