21.8.20

AO DEUS-DARÁ

A minha novela "ao deus-dará" estará nas Feiras do Livro
Lisboa: 27 de agosto a 13 de Setembro
Porto: 28 de Agosto a 11 de Setembro
Depois não digam que não avisei, opps.


Também pode ser encomendado via net para a WOOK ou mesmo para editora ou nas lojas Fnac (com mais demora).

5.8.20

30.7.20

O meu Plano Estratégico

Considerando que o turismo não voltará ao que era antes do COVID19, a estratégia económica que me parece recomendável é apostar na reestruturação do turismo interno envolvendo não só a promoção específica desta actividade junto dos nacionais mas também criando, desenvolvendo e promovendo o desenvolvimento das regiões interiores com potencial turistico.

Isto supõe uma rendibilidade maior das vias e dos meios de comunicação com essas localidades mas também a promoção de novos pólos de atracção industrial, comercial e de lazer.

É preciso que o Estado, articulado com as autarquias, proporcione ou exija transportes melhores e mais frequentes, recuperação e criação de estruturas locais, condições favoráveis de fixação e atracção das populações, nomeadamente através da prestação de serviços gerais como hospitais, polícia, bombeiros, correios, delegações bancárias, telecomunicações digitais, etc.

Como se vê, não é difícil fazer planos estratégicos, o que é difícil é levá-los à prática - supondo que os interesses egoístas de alguns particulares não vençam o interesse geral.

29.7.20

A Arca de Noé da União Europeia


O que aconteceu com o "plano de recuperação e orçamento europeu para 2021-2027" a UE faz lembrar a lenda da Arca de Noé.

Nos sermões de Santo António aos Peixes, o Padre António Vieira invoca este episódio da ficção histórica.

Após dispensar grandes e longos elogios aos peixes, Santo António acaba por apontar-lhe os defeitos. Desde logo, o principal defeito é que os peixes se comem uns aos outros. E que os maiores comem os mais pequenos.

Mas o que eu acho mais interessante, a este propósito,é o comentário em ele diz que na arca os grandes não comiam os pequenos porque, de outro modo, acabariam todos por ser mortos! E que, por isso, o lobo conviveu pacificamente com o cordeiro e assim sucessivamente. Isto é, quando a escassez é global, ninguém se salva se não houver solidariedade geral.