30/12/2010

Ano Novo... especial

De todos os cartões de Ano Novo que já vi até agora, este é o que mais me... impressionou!

Presidentes e salários

«El Parlamento venezolano, de amplia mayoría oficialista, aprobó hoy una ley que limita el salario de los altos funcionarios públicos, entre ellos, el presidente de la República, hasta un máximo de 12 salarios mínimos, unos 3.400 dólares (un salario mínimo mensual es de unos 284,6 dólares, 1.223,89 bolívares).

El presidente venezolano, Hugo Chávez, dijo públicamente a mediados del año pasado que había decidido “congelar” su salario en “2.000 bolívares” mensuales (unos 465 dólares), y criticó que hubiera funcionarios públicos que ganaran “20.000 bolívares” (4.650 dólares) cada mes.

Además del presidente de la República, también deberán ganar un máximo de 12 salarios mínimos al mes otros cargos de elección popular como los diputados de la Asamblea Nacional (AN, Parlamento), los magistrados del Supremo y el fiscal general.

Los gobernadores ganarán hasta nueve salarios mínimos, los alcaldes hasta siete y los concejales y otros cargos municipales de elección popular hasta cinco, de acuerdo a la nueva norma».


Texto da notícia recortado em: Tribuna Popular TP - Caracas, 29 Dez. 2010

24/12/2010

Adivinha!

«Estando noiva de José, e antes ainda de com ele ter coabitado, Maria apareceu grávida por acção do Espírito Santo.
Quando José se preparava para a repudiar, apareceu-lhe em sonhos um “anjo do Senhor” que lhe ordenou que recebesse Maria em sua casa e que aceitasse o filho que ela carregava como obra do Espírito Santo».

A pergunta é: Quem foi o "anjo" ???

Ofereço uma prendinha a quem adivinhar!


Texto recortado AQUI

22/12/2010

Cuba cambia ? (2)


Nosotros tenemos empresas que tienen funciones estatales y nosotros tenemos organismos del Estado que hacen funciones empresariales; entonces, los centros presupuestados que tienen funciones productivas y comerciales, en la medida en que sea posible, tendrán que irse transformando en empresas. No es posible que una actividad que tenga actividad productiva y comercial sea un centro presupuestado; si usted produce, vende y cobra, entonces usted tiene que cubrir con sus ingresos los gastos, y eso tiene que convertirse en una empresa.

Hay actividades muy específicas en Cuba, que tienen muchos ingresos y son entidades presupuestadas, por ejemplo, el parque "Lenin" de la capital, es una entidad presupuestada y tiene ingresos, y hace actividades gastronómicas; se cae de la mata que automáticamente hay que convertirlo en una empresa y tiene con sus ingresos que cubrir sus gastos.

Ahora, si usted tiene una actividad presupuestada, una actividad que es para funciones estatales, la tiene entonces que financiar el presupuesto; entonces lo mismo tenemos un presupuestado que tiene que ser estatal, que tenemos un empresario que tiene funciones estatales; a la Unión Eléctrica se le dio función del control de la electricidad, que es una tarea del Estado. Todo eso se está revisando y se está separando. Ese es el primer análisis: dónde está cada cual, qué es función empresarial y qué no es función empresarial.


Exposição de Marino Murillo, vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, no «Sexto Período Ordinario de Sesiones de la Séptima Legislatura de la Asamblea Nacional del Poder Popular, celebrado en el Palacio de las Convenciones, el 16 de diciembre de 2010», recolhido AQUI.


Imagem inicial: Parque Lenine, Cuba

19/12/2010

Cuba cambia ?

Decorreu ontem, 18 de Dezembro de 2010, uma sessão da Assembleia Nacional de Cuba em que se concluiu «el análisis del Proyecto de Lineamientos de la Política Económica y Social del Partido y la Revolución» com a apresentação dos projectos de lei do «Plan de la Economía y del Presupuesto para el 2011».


O discurso político de Raúl Castro no encerramento da sessão constitui certamente um momento político muito significativo da história contemporânea de Cuba. Se terá ou não consequências práticas, é o que falta saber.

Desse discurso em que o bom-humor do presidente de Cuba foi surpreendente, recortei as seguintes passagens, dignas de um congresso do PCP do tempo da grande debandada.

« El año 2011 es el primero de los cinco incluidos en la proyección a mediano plazo de nuestra economía, período en el que, de manera gradual y progresiva, se irán introduciendo cambios estructurales y de conceptos en el modelo económico cubano.

Durante el próximo año proseguiremos de manera decidida en la reducción de los gastos superfluos, promoviendo el ahorro de todo tipo de recursos, el cual, como hemos dicho en varias ocasiones, constituye la fuente de ingresos más rápida y segura a nuestra disposición».

« En materia del plan y el presupuesto, hemos insistido en que tiene que acabarse la historia repetida de los incumplimientos y los sobregiros. El plan y el presupuesto son sagrados, repito, desde ahora el plan y el presupuesto son sagrados y se elaboran para ser cumplidos, no para conformarnos con justificaciones de cualquier tipo y hasta con imprecisiones y mentiras, intencionadas o no, cuando no se logran las metas trazadas.

A veces algunos compañeros, sin un propósito fraudulento, aportan informaciones inexactas de sus subordinados sin haberlas comprobado y caen en la mentira inconcientemente, pero esos datos falsos nos pueden conducir a decisiones erradas con mayor o menor repercusión en la nación. Quien así actúa, también miente y sea quien sea, debe ser demovido definitiva y no temporalmente del cargo que ocupa y, después del análisis de los organismos correspondientes, también separado de las filas del Partido si milita en él.

« No hay que temerle a las discrepancias de criterios y esta orientación, que no es nueva, no debe interpretarse como circunscrita al debate sobre los Lineamientos; las diferencias de opiniones, expresadas preferiblemente en lugar, tiempo y forma, o sea, en el lugar adecuado, en el momento oportuno y de forma correcta, siempre serán más deseables a la falsa unanimidad basada en la simulación y el oportunismo. Es por demás un derecho del que no se debe privar a nadie.»

« Es preciso poner sobre la mesa toda la información y los argumentos que fundamentan cada decisión y de paso, suprimir el exceso de secretismo a que nos habituamos durante más de 50 años de cerco enemigo. Siempre un Estado tendrá que mantener en lógico secreto algunos asuntos, eso es algo que nadie discute, pero no las cuestiones que definen el curso político y económico de la nación. Es vital explicar, fundamentar y convencer al pueblo de la justeza, necesidad y urgencia de una medida, por dura que parezca.

« El Partido debe dirigir y controlar y no interferir en las actividades del Gobierno, a ningún nivel, que es a quien corresponde gobernar, cada uno con sus propias normas y procedimientos, según sus misiones en la sociedad.


Es necesario cambiar la mentalidad de los cuadros y de todos los compatriotas al encarar el nuevo escenario que comienza a delinearse. Se trata sencillamente de transformar conceptos erróneos e insostenibles acerca del Socialismo, muy enraizados en amplios sectores de la población durante años, como consecuencia del excesivo enfoque paternalista, idealista e igualitarista que instituyó la Revolución en aras de la justicia social.

« Muchos cubanos confundimos el socialismo con las gratuidades y subsidios, la igualdad con el igualitarismo, no pocos identificamos la libreta de abastecimientos como un logro social que nunca debiera suprimirse.


Al respecto, estoy convencido de que varios de los problemas que hoy afrontamos tienen su origen en esta medida de distribución, que si bien estuvo animada en su momento por el sano empeño de asegurar al pueblo un abastecimiento estable de alimentos y otras mercancías en contraposición al acaparamiento inescrupuloso por algunos con fines de lucro, constituye una expresión manifiesta de igualitarismo, que beneficia lo mismo a los que trabajan y a aquellos que no lo hacen o que no la necesitan y genera prácticas de trueque y reventa en el mercado sumergido, etc, etc.

« Tenemos plena conciencia de los errores que hemos cometido y precisamente, los Lineamientos marcan el inicio del camino de la rectificación y la necesaria actualización de nuestro modelo económico socialista.

16/12/2010

Destruir a produção nacional



... para reconstruir a produção nacional



As coisas que eles inventam em Bruxelas!
Pelo caminho fica a segurança social e o emprego, as soberanias nacionais e as suas riquezas. Porreiro!

Aqueles que mais cedo tomaram consciência do que não vale a amizade dos vizinhos ricos, e afrouxaram as rédeas deles e das suas organizações, prosseguindo políticas próprias, como os países da América Latina, crescem em tempo de crise global.

Pois não seria evidente que uma associação de países só faria sentido para defender os mais fracos? Se não é para isso, é para quê? E se é para isso, porque é que são os mais fortes que ditam as regras? As coisas que eu não sei!...

12/12/2010

Descanso nas palavras


E obrigam-me a viver até à Morte!

Pois não era mais humano morrer por um bocadinho, de vez em quando, e recomeçar depois, achando tudo mais novo?

Ah! se eu pudesse suicidar-me por seis meses, morrer em cima dum divã com a cabeça sobre uma almofada, confiante e sereno por saber que tu velavas, meu amor do Norte.

Quando viessem perguntar por mim, havias de dizer com teu sorriso onde arde um coração em melodia: "Matou-se esta manhã. Agora não o vou ressuscitar por uma bagatela."

E virias depois, suavemente, velar por mim, subtil e cuidadosa, pé ante pé, não fosses acordar a Morte ainda menina no meu colo..."


Excerto de um poema de José Gomes Ferreira (1900/1985)

02/12/2010

Não há argumentos...

... se não há vergonha.

Ao contrário do que dizem as notícias, os deputados do PS não fizeram a vontade a Francisco Assiz, particularmente. Foi a si próprios, aos seus interesses de lobbye e "sabe-se lá" a que interesses mais deles próprios, que os deputados fizeram a vontade.

Entre a credibilidade dos seus discursos de rigor, contenção, responsabilidade, partilha de sacrifícios... e os interesses privilegiados dos seus membros, o PS decidiu-se por estes. Está em causa a tributação em 2010 de dividendos das empresas e esses são os superiores interesses do "arco da governação".

Por exemplo: 56 milhões de euros para Ricardo Salgado e o Grupo BES, cerca de 81 milhões de euros para Faria de Oliveira e a CGD, cerca de 48 milhões de euros para Nuno Vasconcelos e a Ongoing, cerca de 18 milhões de euros para Paulo Varela e o Grupo Visabeira
Vota PS! Quanto mais não seja tens sempre aquele "argumento" de que a proposta do PCP se destinava a implantar em Portugal uma Coreia do Norte, blábláblá... Tem tudo a ver...

Quanto mais conheço os lobos menos gosto de carneiros, senhores deputados do PS. Por razões muito menos graves há quem abandone os seus partidos. Mas quando se está lá porque "dá jeito", compreende-se! Compreende-se mas não se aceita. Tenham vergonha!

30/11/2010

Um grito

O que menos importa no vídeo que se segue - por razões de qualidade acústica e visual - é a interpretação de Pablo Milanés.

O que nos faz tremer - e a outros faz temer - é aquele grito de alma que vem da plateia, o grito genuíno e comovente da gente de Cuba que sabe afirmar-se... se a deixam.




Como diz a letra da canção:
No ha sido fácil tener
una opinión que haga
valer mi vocación
mi libertad para escoger.

29/11/2010

Preso hoje em Cuba (actualizado)

(ACTUALIZAÇÃO)
Radio Martí, 29/11/10) El bloguero, poeta y opositor cubano Luis Felipe Rojas Rosabal, fue puesto en libertad y pocos minutos después, habló con Radio Martí. El escritor explicó que una patrulla policial lo dejó a 12 kilómetros de su pueblo, San Germán, y que se encontraba bien a pesar del contratiempo.
(Fim de actualização)

«Yo estoy obsesionado con la libertad y muy pocas cosas me entretienen de ese camino»
Luis Filipe Rojas

28 de Novembro de 2010: foi preso mais uma vez.

«Rojas, colaborador de DIARIO DE CUBA, fue esposado delante a su familia y subido a una patrulla. Mensajes publicados por "amigos" en la cuenta de Twitter del periodista indicaron que este fue conducido al cuartel de la Seguridad en Guantánamo.

El oficial que realizó la detención de Rojas no creyó el motivo de su presencia en Guantánamo. "Sin importarle las condiciones en que quedaban Exilda y sus dos hijos, que lloraban, el gendarme los trató con despotismo y cinismo, diciéndole al chofer del carro en el que viajaban que la dejara 'botada' en Santiago de Cuba"

Este "perigoso comunista", digo anti-castrista, respondia assim, recentemente, a uma
entrevista:

¿A qué Cuba aspira Luis Felipe Rojas?
LFR: Fácil. A la de una hora de Internet sin que te cueste lo mismo que diez libras de carne de cerdo. Sueño con el día en que en una pantalla gigante colocada aquí en el parque Calixto García, de Holguín, pueda ver pitchear a Aroldis Chapman sin que lo abuchee "el pueblo enardecido", a sentarme a ver el noticiero del mediodía para ver salir de la cárcel a Oscar Elías Biscet, Juan Carlos Herrera Acosta, Orlando Zapata Tamayo, Próspero Gaínza Agüero y Enyor Díaz Allen de la cárcel y sean recibidos por el nuevo Ministro del Interior, que debe ser un médico, un sociólogo o un ingeniero, y los reciban en el nuevo Palacio de Gobierno, se les rinda honores y se puedan ir a donde les salga de sus… ganas.

28/11/2010

Belmiro contra Belmiro

Belmiro de Azevedo apoia a recandidatura de Cavaco Silva, de 71 anos, à Presidência da República (1). Mas diz que Manuel Alegre devia ter juízo por se candidatar aos 74 anos!

Belmiro apoia a candidatura de Cavaco Silva porque lhe reconhece "as competências certas para garantir um segundo mandato sereno e construtivo". Mas há dez meses dizia que Cavaco era “um ditador” ! (2)

Belmiro é (era...) contra a existência de um Bloco Central, porque se existisse virava "ditadura a dois” (2) – ficamos a perceber que ele só está contra as ditaduras se forem bicéfalas.

Com este nível de coerência não surpreende que o dono da Sonae... tivesse afirmado, também em Janeiro, que "para se ter uma sociedade coesa, os trabalhadores têm de ser bem tratados, não se podem explorar".

(1) Diário Económico 27 de Novembro de 2010.

(2) Revista Visão de 27 de Janeiro de 2010.

26/11/2010

Desunião europeia

«Não há uma solução fácil nem rápida para a crise» - vão assumindo os próprios dirigentes políticos a todos os níveis, desde os que governam os países até aos que governam a pseudo-União Europeia.
Enquanto as exigências dos países mais ricos da “União” Europeia encostam sucessivamente à parede os países mais pobres, através de exigências que estes não têm condições para satisfazer, e enquanto os efeitos impopulares destas exigências nas políticas dos países mais dependentes vão gerando descontentamento e contestação, os próprios governos destes países vão pagando a factura política.

Na Grécia, na Irlanda, na Espanha, em Portugal… as crises governamentais já chegaram ou estão à porta. Por enquanto são as quedas ou remodelações governamentais, mas a prazo serão certamente as próprias políticas.

Desmascarada a incapacidade desta “União” Europeia para responder aos problemas da região, incapacidade que já vai sendo assumida pelos próprios dirigentes, e dado o caracter anti-democrático do seu funcionamento, uma corrente cada vez mais forte da sociedade europeia se vai adiantando a eles na contestação global da organização.

Parece que só o fantasma do medo pelas repercussões incertas do retorno às moedas nacionais vai refreando ou adiando essa decisão, já que a cooperação económica parece nunca ter passado de um embuste. Mas o medo perde a eficácia, aqui como na vida, quando se revela maior do que o perigo.

Quando são cada vez mais os países de baixo (até no sentido literal) a cair no índex económico, é o próprio sistema que vai ruindo e com ele se arriscam a apagar-se os próprios líderes da organização, seja a Grã-Bretanha, a França ou a própria Alemanha.

Outra Europa é possível?
Esta não é! Encalhou nos seus próprios sofismas.


Recomendo:El País e o artigo
"Condenados à dívida perpétua" em ALAINET.org
Imagem inicial:
composição original

25/11/2010

Aviso prévio

NOTÍCIA
A proposta de Orçamento de Estado para 2011, vai ser definitivamente aprovada na Assembleia da República na próxima sexta-feira, 26 de Novembro, com os votos a favor do PS e com a abstenção do PSD destinada a viabilizá-lo.

DENÚNCIA
Este O.E. incorpora a vontade política dos países mais ricos da União Europeia e os respectivos interesses, bem como a opção liberal dos partidos portugueses que se reclamam “do arco da governação".

ACUSAÇÃO
As políticas contempladas no documento em apreço têm efeitos claros:

1) destinam-se a fazer pagar aos trabalhadores e às camadas sociais menos protegidas, o preço exclusivo de uma crise que não provocaram, através da redução directa de salários e do congelamento de pensões; do aumento de impostos sobre o trabalho e o consumo (IRS e IVA) que corresponde a uma desvalorização indirecta das remunerações;
2) degradação do tecido económico, recessão, falências e desemprego:
3) empobrecimento crescente da população e agravamento das condições de funcionamento da Segurança Social;
4) aumento das desigualdades e desmotivação da população para as soluções políticas da crise, com reacções sociais imprevisíveis.

AVISO
A contestação «vem para ficar e para ser o impulso forte e combativo para todas as pequenas e grandes lutas que os próximos tempos continuarão a reclamar imperativamente, sector a sector, empresa a empresa, medida a medida, luta a luta, batalha a batalha, e nacionalmente» (Victor Dias)

Assim conserve o Movimento Sindical - digo eu - a confiança que já foi perdida, por razões diversas, nos partidos políticos fundadores desta democracia empobrecida .

Quanto aos efeitos da «terapia de» choque receitada por Merkel e Sarcozy, mais depressa os “curarão” a eles e à União Europeia, do que às economias nacionais que lhes são dependentes.

E não é porque não tenham sido eleitos. É por não terem sido eleitos... para isto!

21/11/2010

"Contenção" salarial


Recorte do CM de 21 de Novembro de 2010 - no escândalo dos cortes salariais e do congelamento de pensões, ambos agravados por aumentos de impostos. Infelizmente é apenas um de muitos exemplos do cinismo do "arco da governação". Infelizmente há muito mais razões para a Greve Geral do dia 24.

A censura anda aí


Funcionários da Polícia Municipal da cidade do Porto, entraram nas instalações da "Federação dos Sindicatos do sector Têxtil, Vestuário e Calçado" e retiraram ilegalmente uma faixa de propaganda que fazia o apelo à Greve Geral de 24 de Novembro e que estava colocada na varanda das instalações da própria Federação.Esses mesmos elementos da Polícia Municipal tentaram retirar uma faixa idêntica no "Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos do Norte" sendo que aqui, legitimamente, o Sindicato conseguiu impedir essa acção.

É o PSD que quer ser governo nacional... Dasss!

20/11/2010

Jornais que matam

Uma amiga, prestigiada cançonetista, dizia-me que não era grave que dissessem mal dela mas sim que a ignorassem. Ignorar alguém que, pelo seu mérito e interesse público deva ser notícia, é matá-lo. Isto é o que fazem jornais impresssos, falados ou audiovisualisados. É nisto, entre outras razões, que um relevante serviço público de Informação se torna indispensável.

Quase só como pretexto, que os há muitos e todos os dias, trago por razões de actualidade a notícia da morte de Joaquim Gomes que não era cantor nem actor nem jogador de futebol nem ministro – era apenas um homem que passou a vida inteira a lutar contra a ditadura salazarista, primeiro, e contra a tirania capitalista, então e sempre.

Dos que “apesar de tudo, falam” para expressar ódios anti-comunistas, não reproduzo o que dizem mas algumas respostas que mereceram:

«... Este comentário deve ser lido por todos para que se apenda quais os limites da ignorância, do ódio, da falta de verdade e de vergonha. Este tipo de pensamento é que nos arrasta para o buraco em que nos encontramos, mas já é antigo. Vê-se coisa idêntica nos textos dos que atacavam o Mestre de Avis e queriam dar o Reino de Portugal aos Espanhois. Encontrava-se nos que resistiam aos Filipes de Espanha, nos que defederam o Salazarismo e de forma geral dos que sempre estiveram do lado errado da História, aquele que sempre trocaram a inteligência e a cultura pela traição ao seu povo».

Não resisti também a escrever:

«Imbecis anónimos que se colocam do lado dos assassinos contra as vítimas, do lado dos carrascos, contra os perseguidos, do lado dos opressores contra os oprimidos, "eunucos que se devoram a si mesmos", fazem sobresair ainda mais a grandeza e a dignidade, a generosidade, a coragem e a actualidade de homens como Joaquim Gomes, valores que estão muito acima de quaisquer polémicas sobre opções de percurso».

Mas falta uma palavra sobre as atitudes mais graves de que falava a minha amiga cantora – os silêncios que matam.

A "Visão online" (de manifesto pendor “socialista”) começou por remeter para espaço escondido a notícia sobre um homem que dedicou a vida à resistência anti-fascista e à defesa dos mais fracos. Nada que se compare com as notícias que destaca, desde o rádio que foi atirado à cabeça de Scolari, à montagem do espectáculo de Shakira, da deputada argentina que dá uma bofetada numa colega até ao que se diz sobre um anúncio de Bayoncé... e outras frivolidades ainda menos interessantes e importantes.

Mas enquanto eu escrevia este comentário, a notícia envergonhada sobre Joaquim Gomes, foi simplesmente eliminada... Assim vai a cegueira da Visão.

Colômbia e Venezuela aproximam-se

Hugo Chavez, praticamente orfão do seu mentor ideológico, Fidel Castro, abriu os braços desmesurados e imprevisíveis, em 10 de Agosto, ao novo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, que foi braço-direito do ex-presidente Uribe, ambos carrascos dos opositores políticos e que ficaram muito conhecidos pelo mundo no âmbito da operação de resgate de Ingrid Betancourt. (Na foto, ela ao centro e Santos à direita, de camisa branca)

Santos e Chavez comprometem-se a buscar o consenso e evitar divergências. Fazem acordos de cooperação no combate ao narco-tráfico. A troca de prisioneiros é já uma realidade.

Colômbia e Venezuela compartilham 2.219 quilômetros de fronteira. Chavez, há um ano, mandava avançar as tropas para a fronteira com a Colômbia devido à suposta ameaça desta atacar a Venezuela. "Estamos dispuestos a todo" dizia Chavez na televisão em Novembro... de 2009. Antes da tomada de posse de Juan manuel Santos, Chavez ainda assumia a relação conflituosa com a Colômbia de Uribe. Este acusava o presidente da Venezuela de "ocultar a guerrilleros en su territorio" e anunciava "que llevará el asunto a la Organización de Estados Americanos (OEA)".

Agora que Santos assume a presidência colombiana, Chavez ainda quer lá as tropas mas é para evitar que traficantes colombianos utilizem ou se refugiem no seu país – o que responde, afinal, à preocupação de Álvaro Uribe.

A Colômbia é o maior produtor mundial de cocaína, e a Venezuela é tida como um importante entreposto na rota do tráfico para a Europa e os Estados Unidos. Os seus acordos internacionais para combate ao narco-tráfico não se limitam à Venezuela. Ainda há dias o presidente Santos esteve na Jamaica* com o mesmo propósito declarado, além dos acordos económicos e de cooperação nas áreas da educação e do desporto.

É nítido o esforço do novo presidente colombiano para desenvolver e melhorar as relações diplomáticas com outros países e a diferença de atitude em comparação com o seu antecessor. Será um lado positivo da crise económica mundial?


* A Jamaica situa-se a cerca 145 quilômetros ao sul de Cuba. É uma monarquia parlamentarista e o chefe de estado é o monarca - actualmente é a Rainha Isabel II do Reino Unido.

19/11/2010

Mais Fidel, menos Fidel

Fidel desprende o segundo laço que o amarrava à direcção política de Cuba, ou esta a ele. Depois de deixar formalmente a direcção do governo, em 2008, deixa agora a direcção do partido. Uma vez mais, por razões de saúde.
”No vacilé ni un segundo al deponer mis cargos" – disse como quem não se tivesse agarrado ao poder durante cinquenta anos à custa do monopartidarismo, da repressão e da censura.

Vai mesmo ao ponto de declarar a sua concordância com as reformas em curso e fala da necessidade de "salvar la Revolución" y fortalecer la "crítica y la autocrítica" – sem se criticar!

De notar que o Partido Comunista de Cuba realizará em Abril de 2011 o seu VI Congresso onde se aprovará um plano de reformas económicas mas que também “elegerá” a nova cúpula do partido único, incluindo o seu secretário geral (“primer secretario”).

18/11/2010

Metáfora para os tempos que correm


Quem escrevera Port-Wine, que eu já conhecia numa gravação de Mário Viegas, não podia ser menos que uma entidade transcendente. Mas foi na aldeia do meu pai que o encontrei, por acaso, ao entrar na Casa do Povo de Murtede. Não o achei simpárico, Joaquim Namorado, o mítico autor do poema! O mito fez-se homem onde menos esperava.

Compreendi que a obra transcende o autor.

Não me venham por isso com as histórias privadas e mesquinhas do genial pintor que deixava a roupa espalhada pela casa ou do revolucionário que...


17/11/2010

Carta histórica

«... Todos estamos de acordo em que há dois problemas fundamentais, sem cuja solução não poderá haver paz social, sejam quais forem as aparências. O primeiro é que os frutos do trabalho comum devem ser divididos com equidade e justiça social entre os membros da comunidade, quer no ponto de vista dos indivíduos quer no dos sectores sociais».
(...)
«O segundo é que, seja qual for o conforto ou riqueza que se atribuam a um indivíduo ou a uma classe, nunca eles estarão satisfeitos enquanto não experimentarem que são colaboradores efectivos, que têm a sua justa quota-parte na condução da vida colectiva, isto é, que são sujeito e não objecto da vida económica, social e política».
(...)
«Nestes termos e pedindo me releve a recta intenção em tudo quanto possa ter magoado V. Exa e reiterando a expressão da minha muita consideração pessoal, fico aguardando ordens de V. Exa e subscrevo-me
De V. Exa
Venerando e muito obrigado
a) António, Bispo do Porto

13 de Julho de 1958

(Fim de citação)

Sendo eu António e do Porto, não sou o autor deste texto como acima ficou esclarecido - extraí-o da carta histórica que deu origem ao exílio de António Ferreira Gomes (na foto).

Tampouco pretendo fazer comparações de personagens ou de contexto senão naquilo que este excerto denuncia: a vocação dos dirigentes políticos para abusarem do poder que supostamente pertence ao povo.


Até para que os mais distraídos compreendam o sentido de uma greve geral.

16/11/2010

Homens fazem milagres

Quem estuda os fenómenos da luz e da formação das imagens, sabe que nós não vemos os objectos mas sim a luz que eles reflectem na nossa direcção.

Por isso é que vemos um lago no meio do deserto quando a atmosfera faz reflectir, da areia, luz proveniente das nuvens – que são água, é certo, mas que não está onde a localizamos.

Por isso também é que os objectos “desaparecem” quando a luz se apaga. Por isso é que continuamos a ver astros que já não existem ou não existem onde os vemos – devido ao tempo que demora a luz a percorrer o espaço entre eles e nós.

Nada mais parecido com os discursos políticos "do arco da governação" e os seus ecos nos comentadores do mesmo “espectro” político: com mais ou menos convicção, eles querem mostrar-nos uma realidade que muito simplesmente não está lá; está fora do seu espaço ideológico!


Nada se espera de gigantes sem alma que nos são impostos como salvadores. Como se pode perceber no vídeo que se segue, os milagres possíveis são feitos por aqueles que rompem as convenções, para transformar a realidade.


15/11/2010

Assim falava... Karl Marx (2)
(sobre "a crise")


«As relações burguesas de produção e de intercâmbio, as relações de propriedade burguesas, a sociedade burguesa moderna que desencadeou meios tão poderosos de produção e de intercâmbio, assemelha-se ao feiticeiro que já não consegue dominar as forças subterrâneas que invocara.

De há decénios para cá, a história da indústria e do comércio é apenas a história da revolta das modernas forças produtivas contra as modernas relações de produção, contra as relações de propriedade que são as condições de vida da burguesia e da sua dominação.

Basta mencionar as crises comerciais que, na sua recorrência periódica, põem em questão, cada vez mais ameaçadoramente, a existência de toda a sociedade burguesa.

Nas crises comerciais é regularmente aniquilada uma grande parte não só dos produtos fabricados como das forças produtivas já criadas. Nas crises irrompe uma epidemia social que teria parecido um contra-senso a todas as épocas anteriores — a epidemia da sobreprodução.

A sociedade vê-se de repente retransportada a um estado de momentânea barbárie; parece-lhe que uma fome, uma guerra de aniquilação universal lhe cortaram todos os meios de subsistência; a indústria, o comércio, parecem aniquilados.

E porquê? Porque ela possui demasiada civilização, demasiados meios de vida, demasiada indústria, demasiado comércio. As forças produtivas que estão à sua disposição já não servem para promoção das relações de propriedade burguesas; pelo contrário, tornaram-se demasiado poderosas para estas relações, e são por elas tolhidas; e logo que triunfam deste tolhimento lançam na desordem toda a sociedade burguesa, põem em perigo a existência da propriedade burguesa.

As relações burguesas tornaram-se demasiado estreitas para conterem a riqueza por elas gerada. E como triunfa a burguesia das crises? Por um lado, pela aniquilação forçada de uma massa de forças produtivas; por outro lado, pela conquista de novos mercados e pela exploração mais profunda de antigos mercados.

De que modo, então? Preparando crises mais omnilaterais e mais poderosas, e diminuindo os meios de prevenir as crises.

14/11/2010

Assim falava... Karl Marx
(sobre economia)

Recupero este post que havia publicado em Maio, por razões de crescente actualidade.

Anoto apenas, já que o não fiz na altura, que onde se diz burguês ou burguesia deve ler-se aquele ou aquela classe que detém o poder económico. A razão do termo usado é o contexto histórico em que o texto foi escrito. As imagens e apenas as imagens são actuais. O texto é integralmente de 1848... Embora não pareça!

«A burguesia despiu da sua aparência sagrada todas as actividades até aqui veneráveis e consideradas com pia reverência. Transformou o médico, o jurista, o padre, o poeta, o homem de ciência em trabalhadores assalariados pagos por ela. A burguesia arrancou à relação familiar o seu comovente véu sentimental e reduziu-a a uma pura relação de dinheiro».

«A necessidade de um escoamento sempre mais extenso para os seus produtos persegue a burguesia por todo o globo terrestre. Tem de se implantar em toda a parte, instalar-se em toda a parte, estabelecer contactos em toda a parte».
«A burguesia, pela sua exploração do mercado mundial, configurou de um modo cosmopolita a produção e o consumo de todos os países. (...) As antiquíssimas indústrias nacionais foram aniquiladas, e são ainda diariamente aniquiladas. São desalojadas por novas indústrias cuja introdução se torna uma questão vital para todas as nações civilizadas, por indústrias que já não laboram matérias-primas nativas, mas matérias-primas oriundas das zonas mais afastadas, e cujos fabricos são consumidos não só no próprio país como simultaneamente em todas as partes do mundo».
«Para o lugar das velhas necessidades, satisfeitas por artigos do país, entram [necessidades] novas que exigem para a sua satisfação os produtos dos países e dos climas mais longínquos».

«Para o lugar da velha auto-suficiência e do velho isolamento locais e nacionais, entram um intercâmbio omnilateral, uma dependência das nações umas das outras.

(...) A burguesia, pelo rápido melhoramento de todos os instrumentos de produção, pelas comunicações infinitamente facilitadas, arrasta todas as nações, mesmo as mais bárbaras, para a civilização. Os preços baratos das suas mercadorias são a artilharia pesada com que deita por terra todas as muralhas da China, com que força à capitulação o mais obstinado ódio dos bárbaros ao estrangeiro».

«Compele todas as nações a apropriarem o modo de produção da burguesia, se não quiserem arruinar-se; compele-as a introduzirem no seu seio a chamada civilização, i. é, a tornarem-se burguesas»
.

Excertos do Manifesto do Partido Comunista, de Marx e Engels.

11/11/2010

Novas classes na Greve Geral

A adesão dos magistrados portugueses à Greve Geral de 24 de Novembro, no seguimento da sua greve de Outubro de 2005, revela uma realidade nova no contexto das lutas sociais: a proletarização cada vez mais ampla dos trabalhadores.

Karl Marx previu este fenómeno na forma de passagem dos profissionais independentes a assalariados, mas acresce a isto, se não é o mesmo, a ampliação do caracter hostil do capitalismo (ou dos governos que o suportam) a profissões que até agora pareciam ou estavam protegidas pelo sistema.

Parece inserir-se neste caso, pois, a adesão dos magistrados à Greve Geral de 24 de Novembro, associando as suas reclamações à reclamação geral dos trabalhadores, isto é, revelando a consciência de que o estatuto privilegiado que o sistema lhes oferecia para lhes ganhar a cumplicidade, era hipócrita e efémera.

Para o capitalismo, todo o independente deve ser recrutado para o seu exército e todo o assalariado deve ser explorado a favor do lucro – seja ao nível da remuneração ou do tempo e condições de trabalho, o que vai dar ao mesmo.

De notar que as greves de magistrados não são uma originalidade portuguesa nem europeia sequer.

Mas é claro que isto fere os sentimentos classistas de quem exerce o poder acima da sociedade real – uma sociedade que é una como um navio apesar de serem diversas as funções dos seus tripulantes, e cuja divisão em castas perde sentido quando se trata de salvar a embarcação em que todos estão metidos.

Que este sentimento classista seja partilhado e expresso por aqueles que assimilaram o conceito mesmo sem terem o Poder, é tão velho quanto o argumentário. Cito um exemplo actual:

«Da mesma maneira que não tem qualquer utilidade social haver uma princesa que se comporta precisamente como a nossa vizinha badalhoca do 5º Esquerdo, também se torna difícil conferir dignidade a uma classe de magistrados que se comporta colectivamente da mesma forma que o pessoal da estiva…»

Neste texto*, como se vê, a classe trabalhadora, especialmente retratada no “pessoal da estiva”, é uma “vizinha badalhoca” da qual a elite social deveria evitar o contágio – além do cheiro.

Para manter o nível da conversa, cito Brecht:
«Para quem tem uma boa posição social, falar de comida é baixo. É compreensível: eles já comeram».

Historicamente, a greve, antes de ser um facto regulado por lei, já era um facto regulado pela vontade dos seus actores, os trabalhadores, no exercício da sua liberdade natural. Ao contrário do que pensam alguns, não são as leis que fazem a sociedade; é a sociedade que faz as leis.


* Consulta integral do texto citado, AQUI.

Relacionado com este tema publiquei aqui em Março um artigo a propósito da greve dos pilotos: «Pilotos e Classes Sociais»

09/11/2010

Acudam ao Capitalismo

Assim abria o "Prós e Contras" desta noite (8 Nov)
– quatro frases, quatro disparates:

«O modelo de economia capitalista vai ter que se humanizar para garantir a sua própria sobrevivência. Esta ideia está a ganhar cada vez mais adeptos. E já hoje é visível a multiplicação de iniciativas particulares na área social e sobretudo a aposta na chamada economia social.
Empresas que não colocam os lucros como objectivo máximo a atingir e conseguem evitar o prejuízo».
(...)
«O futuro passa pela inovação social, pelo empreendorismo, pelas redes de solidariedade social, e pelo voluntariado».
(...)
«Pretende-se que o debate desta noite seja a alavanca dessa redobrada consciência social e que se torne por sua vez numa mobilização para a acção».

Pese embora a ingenuidade aparente da apresentadora, já a escolha do “painel” e mais obviamente ainda a cândida tese do “capitalismo humanizado” deram uma imagem pungente do que é o esforço dos orgãos de informação ao serviço de uma ideologia e do que é o desespero patético dos seus funcionários mais fiéis e/ou mais convictos.

Dir-se-ia que o capitalismo está mesmo por um fio, mas receio que esse pânico seja precipitado. Para já, que eu saiba, é só uma greve geral. E é só no dia 24.

04/11/2010

JORNAL (é) DE NOTÍCIAS

(ou não é jornal)

Não se entenda isto como piada contra o jornal de Mário Crespo ou até o de Ana Lourenço que eu ouço e vejo (respectivamente?) com interesse. Mas jornal quer notícias e quer-se universal. Fica aqui a nota deste “provedor”.
Quanto à Imprensa, gostaria de partilhar uma “impressão” que tem tanto de gráfico como de sentimental: o proveito e o prazer que me dá o Jornal de Notícias, jornal "de preferência" se não fôr "de referência".

Bastaria ao JN a crónica habitual de Manuel António Pina para justificar a consulta do jornal. Mas “além disso” que afinal é jornalismo de opinião, o que surpreende num leitor do século XXI, é que o diário é rico de noticiário – porventura mais que nunca por razões de concorrência. Que gaste muito papel com os crimes de faca e alguidar, anúncios suspeitos e publicidade mortuária, não é menos legítimo do que ouvir horas a fio, dias, semanas, meses..., os mentores convidados das televisões a dizer as mesmas coisas sobre os mesmos assuntos, tão falsamente discordantes entre si como José Sócrates e Passos Coelho.

Pelo contrário, não só é legítimo como é necessário. Na medida em que a “vox populi” *, fica ali melhor representada do que nas entrevistas de rua, pescadas à rêde e posteriormente editadas como se assim não fôsse.

Na medida, também, em que as tais notícias de histórias individuais de grande impacte, são materiais com valor sociológico maior do que as opiniões de Francisco Van Zeller, marido de Maria João Avilez, irmã de Maria José Nogueira Pinto, esposa de Jaime Nogueira Pinto..., por mais representativas que sejam as suas opiniões sobre as empresas e "as famílias".


* “vox populi” é uma expressão que ficou consagrada no jornalismo para designar a recolha improvisada de opiniões na rua, lá onde a "voz do povo" se pode escutar, supostamente livre e genuína.

01/11/2010

Brincando ao arco (2ª versão)


«Toda esta noite o rouxinol cantou,
gemeu, chorou, gritou perdidamente.
Alma de rouxinol, alma de gente,
tu és talvez»... ministro das finanças.

As horas passam, perdem-se as esperanças
e os banqueiros perdem a paciência:
- Assinem um acordo; dêem uma conferência.
Precisamos de carne p’ró banquete!

Diz o mandatário competente:
- Se baixarmos salários e subirmos impostos,
nós salvamos a Pátria e a finança anima.

Mas o povo sussurra em cada esquina:
- Ora queimam a lenha, ora nos pedem pão.
Maldito “arco da governação”!


2010 OUT 30 às 23h20min

31/10/2010

Produzir, produzir, produzir!


Da Espanha veem pêssegos, pimentos e batatas; da Itália, uvas; do Uruguai, laranjas e limões; alho francês... da Bélgica; bifes, da Irlanda e eu sei lá que mais. Será que só nos restam as couves e os tomates?

Entretanto...

«A Madeira exportou o ano passado mais 10% de flores, com as importações a caírem 28,7%. Contribui para esta inversão dos indicadores um aumento gradual da produção e comercialização local, que nos últimos anos cresceu 39,5%.

Tendo beneficiado ao longo do último quadro comunitário de apoios da União Europeia que permitiram trinta e dois novos projectos florícolas, no valor de 4,6 milhões de euros, a Madeira conseguiu reduzir em 85% o número de flores importadas, tendo com isso beneficiado a produção local.

No histórico da actividade, o ano de 2009 fica marcado pelo primeiro em que as exportações superaram as importações, tendo sido produzidas na Madeira cerca de 4,7 milhões de flores, que geraram um volume de negócios de 2,5 milhões de euros».


Esta notícia do dnoticias.pt é de Abril mas não é a actualidade da notícia que interessa aqui, é o exemplo do que se pode fazer e do que a União Europeia pode ajudar a fazer para equilíbrio da Balança Comercial dos países membros. Produzir para empregar, produzir para reduzir as importações, produzir para permitir as exportações. Produzir, produzir, produzir. E consumir produtos nacionais.

30/10/2010

Emprego improdutivo

«Diez de la mañana. Por aquellos pasillos, donde hace una semana la gente se amontonaba y conversaba en horario laboral, hoy no transita ni un alma. ¿Qué ha ocurrido en los 17 pisos del Ministerio de la Agricultura para que nadie deambule fuera de las oficinas? Foto do Ministério do Interior

La respuesta es sencilla: muchos temen estar en la lista del próximo recorte, de manera que evitan mostrarse fuera de su puesto de trabajo y así parecer prescindibles. Si antes merodeaban por todos lados con los brazos cruzados, la estrategia del momento es parecer ocupados, aunque para ello tengan que quedarse tras el buró durante ocho horas».

Cuba, 29 de Outubro de 2010(*)

E eu pergunto onde é que já vi (vimos) isto!?
E voltaremos a ver.

Como alguém comenta acerca de Cuba, naquele artigo de Yoani Sánchez, também por cá não terão que preocupar-se muito os protegidos do "arco da governação". Ai como eu me lembro do PS e do PSD a inflaccionar a RTP de pessoal da sua côrte nos tempos de Mário Soares, por exemplo. Para já não falar de antes de 1974, quando o meu chefe amontoava dossiers inúteis sobre a secretária.

O burocracismo e o clientelismo não têm pátria nem regime, têm políticas que lhes facilitam ou dificultam a existência. E parece que em Cuba alguma coisa se começa a fazer de positivo. Mas não chega. E é duvidoso que ainda vá a tempo de salvar o que resta do seu património político.

Corroborando a tese sobre a autonomia das leis económicas, que defendi noutro artigo, defendo que o espaço para a decisão política e para a afirmação ideológica é o que permite optar entre o desemprego e a requalificação no âmbito de uma reestruturação económica credível. A Direita reclama em toda a parte a facilitação do despedimento; o governo cubano promete a requalificação. Vamos a ver quem é que a História absolve ou condena.

(*)Artigo completo em "Géneracion Y".

28/10/2010

As novas viagens de circum-navegação

A viagem “de circum-navegação” que Hugo Chavez empreendeu por estes dias a países com diversas ideologias oficiais e diversas práticas políticas, tais como Portugal, Rússia, Bielorrússia, Ucrânia, Irão, Síria e Líbia, no seguimento do que faz a China, a outra escala, e certamente inspirado por ela, reforça a ideia de que as leis económicas são independentes das opções políticas.

Desenvolver a economia nacional é uma boa opção de quaisquer políticos. Uns fazem-no em nome “do” socialismo, como Chavez ou Hu Jintao, outros fazem-no em nome “do” capitalismo como José Sócrates ou Angela Merkel, mas o mais importante é que os países se desenvolvam para que os povos melhorem as suas condições de vida. Pelo meio ficam os incompetentes e os “agarrados”... a preconceitos ruinosos.

Alvin Toffler bem se esforçou nos anos 80 a defender esta tese em "A Terceira Vaga", mas o contexto mundial não lhe atribuíu méritos senão intelectuais.

Diversamente do que acreditámos com Karl Marx, digamos, se a política se subordina à ideologia, já a economia se lhe escapa.

Podemos escolher entre atravessar um rio ou não atravessar, mas uma vez que se opte pela primeira opção, as formas de o fazer são limitadas e universais, isto é, podemos ir a nado, de barco ou por uma ponte, e em toda a parte estas são as opções possíveis. A subjectividade da escolha, o espaço ideológico em política, está nas razões sociais porque fazemos uma destas escolhas e não outra delas - está na opção de classe, para voltar a Marx.

No âmbito das políticas laborais, por exemplo, economia e ideologia cruzam-se e muitas vezes conflituam, mas isso é porque o trabalho tem as duas dimensões e não porque o aumento dos horários de trabalho, por exemplo, deixem de ser um factor favorável ao crescimento económico dos países quer se trate da Coreia do Sul ou da Coreia do Norte, do Brasil ou de Cuba. Construir a ponte para atravessar o rio parece ser uma opção obvia do ponto de vista social, mas é incontornável ponderar a capacidade económica e material de o fazer.

Isto que hoje nos parece evidente, julgo que permaneceu durante o século XX encoberto pela poeira da “guerra fria”. Por boas ou más razões esta poeira assentou, e lá onde outras se não levantam, tenta-se abrir os olhos e seguir em frente.

Neste contexto, Hugo Chavez, na sua versão mais lúcida que porventura lhe seja ditada pela racionalidade do partido (PSUV), e no seguimento de outras medidas económicas e políticas internas, desenvolve esta viagem digna de um Fernão de... Magalhães dos novos rumos económicos, e o que se deseja é que o seu povo e a sua região saiam mais prósperos do que foram até aqui. O que os povos querem mesmo é liberdade, justiça e bem-estar; o resto é poeira.

27/10/2010

À porta fechada

Há realmente coisas que só podem ser feitas à porta-fechada. Vergonhas! Aqui ficam dois exemplos.

Dizem as notícias que «O Ministro de Estado e das Finanças, Teixeira dos Santos, esteve na residência oficial do Primeiro-Ministro, depois de se ter encontrado a sós com o líder negocial do PSD, Eduardo Catroga (na foto), antigo ministro das Finanças de Cavaco Silva».

Dizem os comentadores afectos ao “arco da governação” que a escolha de Eduardo Catroga tem méritos incontestáveis. Diz Jerónimo de Sousa, no seu estilo metafórico de grosso recorte, que tal encontro é “conversa de alcova”.

Verdadeiramente pornográfico, porém, é este texto do Diário da República:

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA
Instituto Superior de Economia e Gestão
Despacho (extracto) n.º 9405/2010
Por despacho do Presidente do Conselho Directivo do Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa, de 1/09/08, proferido por delegação do Reitor da mesma Universidade de 25/05/2007:
Eduardo de Almeida Catroga — contratado, por conveniência urgente de serviço, em regime de contrato administrativo de provimento, para o exercício das funções de Professor Catedrático Convidado, a tempo parcial 0 %, além do quadro deste Instituto, com efeitos a partir de 1 de Setembro de 2008. (não carece de fiscalização prévia do T. C.).
26 de Maio de 2010. — O Presidente da Escola, Prof. Doutor João Duque.

Diário da República, 2.ª série — N.º 107 — 2 de Junho de 2010


Quem me enviou esta informaqção por e-mail, juntava o seguinte comentário que julgo útil transcrever para quem não entender à primeira:

«Se contratado para o quadro a 0% do tempo, eu diria que talvez fosse para não trabalhar mas para ter o lugar garantido. Agora contratado para além do quadro a tempo parcial 0% e ainda por cima com efeitos retroactivos a 01/09/2008, desculpem mas não entendo. Vá-se lá saber das intenções...

Com certeza que Mário Crespo, quando se voltar a cruzar com João Duque (na foto) no seu programa 'Plano Inclinado', não deixará de lhe pedir que explique como este despacho irá contribuir para o desenvolvimento da ciência económica em Portugal».


Eu pergunto se serão situações destas que preocupam a Direita quando se refere a pessoas que ganham dinheiro sem trabalhar!?

24/10/2010

Importa que não se importe

2010 Outubro 24

Todos os dias e em toda a parte, os políticos e economistas com voz nos orgãos de difusão, insistem na necessidade de aumentar as exportações como medida para reduzir o défice da nossa Balança Comercial e assim reduzir a dívida externa.

Parece que faz sentido! Mas atendendo às enormes dificuldades de exportar quando os outros países estão “em contracção”, eles a braços com problemas da mesma natureza, e quando o nosso “aparelho produtivo” tem sido destruído por decisão política nacional e europeia, esta parece ser uma questão retórica.

Tal discurso exprime mais desejo do que viabilidade, mas há um "efeito colateral" que não passa despercebido: ele serve de pretexto para defender a diminuição dos apoios sociais e do rendimento dos trabalhadores “a fim de diminuir os custos de produção e tornar os nossos produtos mais competitivos no mercado”.
Claro que as exportações têm que ser promovidas e não sou eu quem venha desmoralizar o Primeiro-Ministro num dia forte de vendas à Venezuela, mas há sinais, e nem a minha formação económica me habilita a dizer mais, de que há muito a fazer “do lado” das importações numa sociedade onde o consumo supérfluo foi incentivado com grande sucesso por parte das empresas, dos bancos e dos governantes.

Parece evidente que é prioritário, por razão de eficiência, contrariar os consumos supérfluos e muitas vezes sumptuários dos governantes (a Direita diria “do Estado”), dos empresários e dos cidadãos mais abastados. No caso dos governantes, de forma coerciva, aos restantes através de desincentivos a esse tipo de consumo – aqui sim, talvez seja o IVA um instrumento de correcção onde não venha agravar custos de produção nacional.

Desculpem, mas é que ainda faltava eu dizer qualquer coisinha...

Nota:
«No período de Junho a Agosto de 2010, as saídas de bens registaram um aumento de 14,2% e as entradas de 10,0% face ao período homólogo (Junho a Agosto de 2009), resultando, ainda assim, no agravamento do défice da balança comercial em 161,2 milhões de euros.» - INE

scut ou ccut

Sobre a cobrança de portagens nas estradas designadas “sem custos para os utilizadores", vulgo SCUT, já não há discussão que valha a pena. O melhor mesmo é disfrutar destes “registos” sobre o modo como Bin Laden comenta e como Hitler pondera o problema.

Pressionar nos respectivos nomes para ver as gravações devidamente traduzidas)


Entretanto ficam três fotogramas a título de sugestão

20/10/2010

Estamos nisto !


Há quem fale em mudança de rumo; há quem fale em mudança de estratégia; há quem fale em mudar o paradigma... É tudo muito vago, abstracto e inconsequente. Não será melhor partir a parede?

15/10/2010

Violeta Parra era chilena

Violeta Parra pode ser considerada a mãe da canção comprometida com a luta dos oprimidos e explorados, tendo sido autora de páginas inapagáveis, como a canção "Volver a los 17", que mereceu uma antológica gravação de Milton Nascimento e Mercedes Sosa.



Outra das canções (de Violeta Parra), "La Carta", cantada em momentos de enorme comoção revolucionária, nas barricadas e nas ocupações, tem entre os seus versos o que diz "Os famintos pedem pão; chumbo lhes dá a polícia".

Mas suas canções não são apenas marcadas por versos demolidores contra toda a injustiça social. O lirismo dos versos de canções como "Gracias a la vida" (gravada por Elis Regina) embalou o ânimo de gerações de revolucionários latino-americanos em momentos em que a vida era questionada nos seus limites mais básicos, assim como a letra comovedora de "Rin de Angelito", quando descreve a morte de um bebê pobre: "No seu bercinho de terra um sino vai te embalar, enquanto a chuva te limpará a carinha na manhã".
(Texto recortado em Wikipedia)

14/10/2010

O Chile, Deus e o Diabo

Os “resgatadores” cumpriram a sua missão”.
O presidente do Chile vai cumprir a dele?


Estiveram “com Deus e com o Diabo”. É como quem diz: com a esperança e com o medo. Esperança de que as autoridades, lá em cima, cumprissem o seu dever elementar de fazer tudo para encontrá-los e resgatá-los. Esperança de que os técnicos o conseguissem. Esperança em Deus, ao menos para alguns, para quem o desmoronamento só pode ter sido obra do Diabo. E medo: que o Diabo derrotasse outra vez Deus; que os técnicos falhassem; que as autoridades não se empenhassem o suficiente.

Mas se Deus não precisa de fazer nada em sua defesa porque a fé enriquece tanto com a sorte quanto com o azar, ou talvez mais com este, já o Presidente da República tem que dar sinais de amor ao seu eleitorado, se não for pelos actos que seja pelas palavras. E lá estava ele de alma e coração, omnipresente e eloquente, consciente de que milhões de pessoas em todo o mundo estavam a vê-lo e a promovê-lo.

Na euforia dos acontecimentos e nas circunstâncias de cansaço e improviso com que se dá menos-bem habitualmente, talvez se deva perdoar que se tenha sobreposto ao regresso do primeiro técnico de resgate apesar de serem estes os únicos que arriscaram a vida voluntariamente em todo este processo e de ser aquele que mais arriscou. Mas não pode ser levado à conta do entusiasmo a promessa repetida de melhorar as condições de trabalho dos mineiros e dos outros trabalhadores, designadamente os agricultores, pescadores, etc. Tanto mais que é um namoro que faz continuamente à classe trabalhadora, até para contrariar a imagem de empresário que é.

Promessas de emprego (um milhão), de melhoria de salário e defesa dos direitos dos trabalhadores, já são habituais nos seus discursos, tal como a invocação das «maravilhas» chilenas, dos símbolos patrióticos e dos valores religiosos.

Alguma coisa me diz que os mineiros e os trabalhadores em geral não alimentem “essa” esperança. A questão, dando de barato a sinceridade das suas palavras, é que é mais fácil fazer passar 33 mineiros por um tubo de 700 metros do que os ricos prescindirem da exploração dos necessitados. E Piñera conhece bem a pátria de Allende, a história e a realidade do seu país, os interesses em conflito, no Chile e nos países da região - para não ir mais longe.

Se ele está à espera da ajuda de Deus para fazer o milagre da conciliação, tire daí a esperança porque, como disse Jesus Cristo e a História demonstra, Deus não se mete em política: a Deus o que é de Deus; a Sebastián Piñera o que é de Piñera.

Por falar nisso: quem vai pagar o resgate dos mineiros? Os próprios mineiros e os outros trabalhadores! Esta é a lógica da qual Piñera não quererá resgatar os chilenos.

10/10/2010

Deputados suecos, precisa-se!

Não sei em que medida o modelo sueco de desenvolvimento se aplicaria a Portugal, mas não tenho dúvida que há no Reino da Suécia uma cultura política que, por maioria de razão, devia ser exigida pelo povo português aos nossos políticos do arco da desgovernação.



Entretanto cheguei através de João Pereira Coutinho, no Correio da Manhã, a ESTA INFORMAÇÃO que me escapou no espaço noticioso certamente porque a irracionalidade se tornou vulgar.

Nota:
A Suécia é país-membro da União Europeia mas 55,9% da população votou pela rejeição do Euro num referendo em Setembro de 2003. Assim, a moeda do país continua a ser a coroa sueca.

Popular Democrática

O partido comunista da Coreia do norte celebrou neste sábado, 9 de Outubro, os seus 65 anos.
O líder norte-coreano Kim Jong-Il, 68 anos (ao centro na foto), está muito doente depois de ter sofrido um acidente vascular cerebral em 2008. Nestas condições, prepara-se para designar o seu sucessor! Parece que o mais provável será o próprio filho, Kim Jong-Un, de 27 anos de idade, tal como Kim sucedeu em 1948 a seu pai (estátua da foto). Mas também poderá ser Kim Kyung-hee, a irmã do “querido líder” actual.

Assim vai o “centralismo democrático”, ali como em Cuba onde Fidel designou o irmão para lhe suceder, como em toda a parte onde o princípio é inscrito.

Tal como em Cuba, de resto, a educação e saúde gratuita são atribuidos a toda a população em troca da liberdade. Tal como em Cuba, aqueles serviços têm uma qualidade mínima e a penúria de alimentos é alarmente. Tal como em Cuba, a “legitimidade” do monarca é assegurada pelo sistema político que garante unanimidade à designação. Tal como Cuba, a Coreia do Norte acusa os EUA de ameaçarem o país, nomeadamente com base em manobras militares na região – o que parece ser verdade, diga-se, mas que serve de justificação para o regime militarista de excepção permanente imposto ao país.
Passados 65 anos sobre a derrota do nazi-fascismo, data a que está ligada a criação do PC da “República Popular Democrática da Coreia”, o que agora se comemora, porém, com um desfile militar no qual participarão 20.000 soldados, mísseis, tanques e outros tipos de armamento, não é o socialismo científico, a libertação de um povo oprimido por uma classe dirigente, é a permanência desta classe contra tudo, contra todos e com todos os meios durante dezenas de anos – é a tirania científica.

Tendo sido convidados a participar oficialmente na Festa do Avante do mês passado, no âmbito dos “partidos irmãos”, ainda não consta que uma delegação do PCP se tenha deslocado àquele país nesta efeméride, mas pode ser apenas uma questão de falta de informação. Ou não.