28/10/2012

Porque hoje é domingo (26)

ou: O Fim do Cerco!

"A cena" passa-se em Jericó, uma antiga cidade bíblica da Palestina, situada nas margens do rio Jordão.

Estava eu a conversar com o meu amigo Hassan sobre o cerco economico-financeiro que os nossos países estavam a sofrer, quando fomos engolidos por uma multidão que desfilava na cidade. "É uma manifestação de indignados", pensámos. Porém, cartazes nem um, fosse em hebraico ou em português, nada de caricaturas nem palavras-de-ordem.

Percebemos, entretanto, que seguiam um pequeno grupo dirigente encabeçado por um conhecido agitador de Nazaré, de quem se falava ultimamente.

Não tardou que um pobre desgraçado - que os há sempre mas ainda mais em tempo de crise - começasse a gritar, desesperado: “Jesus, filho de David, tem piedade de mim!”.

A princípio, a multidão tentou ignorá-lo; tentaram depois que se calasse e, finalmente, vencidos pela energia do enfurecido popular, pareceu politicamente mais correcto chamá-lo com paternal tolerância e perguntar: “O que queres que eu faça?”. Ao que o outro respondeu: “Mestre, eu quero ver de novo!” (Mc 10,46-52).


- Mas queres ver o quê? Acaso és cego?
- Eu, não!
- Então porque me pedes para ver?
- Eu quero ver os pescadores a pescar, os agricultores a cultivar, os operários a construir, os vendedores a vender, os consumidores a comprar…

Exaltado como só o tinhamos visto quando expulsou os vendilhões do templo, Jesus respondeu:
- Não votaste para este Governo? Então vai pedir isso ao Ministro das Finanças ou ao 1º Ministro, porque eu sou apenas o Filho de Deus.

Discretamente, porém, Jesus ter-se-ia dirigido depois a Josué, dando instruções que foram fielmente cumpridas: durante seis dias - entenda-se em sentido figurado - os valentes guerreiros deram uma volta em torno da cidade e no "sétimo dia", lá por 2012 ou 2013, entenda-se, deram sete voltas. Durante a sétima volta, ao som da trombeta, todo o povo levantou um grande clamor e as muralhas caíram… (cf. Js 6).


Fica o aviso para os crentes!

25/10/2012

O bom aluno

(Imagem recolhida em exposição do Museu de História Nacional do Rio de Janeiro, em 2008, noutro contexto)

20/10/2012

Da censura à propaganda

Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC)

Eis senão quando, o Jornal das Sete da SIC Notícias fala da América Latina. Fala mal! Para dizer que o representante das FARC nas conversações de paz afirmou que o conflito armado não cessava durante estas negociações.

Pois foi, senhor jornalista, mas isso porque o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, já o havia afirmado alguns dias antes, ‘tá a ver? O que foi hoje reafirmado pelo representante do Governo: "No habrá despeje, no habrá cese de operaciones militares, la fase dos no es una negociación tradicional, no se trata de que el Estado entregue una serie de competencias suyas a cambio de las ideas de las Farc, porque eso no sería, entre otras cosas, digno", aseguró De la Calle.

"Con estas palabras, De la Calle parecía advertir a sus contrarios en la mesa de negociación que el Gobierno se sigue negando a considerar un pronto cese del fuego, como sí lo ha pedido la guerrilla".

No dia seguinte àquela “notícia” o mesmo "jornalista" da Sic anuncia que Fidel Castro está moribundo ou semi-morto ou lá o que lhe apeteceu anunciar.

O "jornalista" nem se deu conta de que Fidel já estava morto há vários anos. A crer nas notícias, as suas mortes mais recentes ocorreram em 2009 e 2010, como pode certificar-se AQUI

Quantas vezes é que o jornalista venezuelano Nelson Bocaranda publicou que Fidel Castro teria morrido? Bem pode Alex Castro, filho de Fidel, desmentir a notícia, afirmando que o líder da Revolução Cubana "está bem, fazendo suas atividades diárias, lendo, praticando exercícios". Desde quando é que o filho de Castro sabe mais sobre o pai do que o cangalheiro dos líderes de esquerda da América Latina?

É claro que algum dia o "coma-andante", como lhe chamam alguns, há-de morrer e a morbidez de alguns jornalistas há-de acertar. Mas isso não é jornalismo, é propaganda abusiva. E olhe que quem lhe diz isto já terá atacado politicamente Fidel Castro e o seu regime mais vezes do que você. Mas reportando-me a factos e não a desejos. A Sic Notícias merece melhor e tem melhor, como eu também já disse aqui.

15/10/2012

Censura democrática

Hugo Chavez não ganhou as eleições democráticas na Venezuela, proclamendo o socialismo e a independência nacional; Cristina Kirchner não recusa que a Argentina se deixe governar pelo FMI;  não está em curso  um processo para a iniciação de negociações de paz entre o governo da Colômbia e as FARC, depois de 50 anos de confrontos violentos; a América Latina não existe... senão nas favelas do Brasil.

Esta é a informação a que temos acesso nos orgãos de "comunicação social" portugueses. Ou, parafraseando Karl Marx, «a informação dominante é a informação da classe dominante».

07/10/2012

Porque hoje é domingo (25)

Apesar do desprezo institucional e da repugnância religiosa pela mulher, a Igreja Católica, invocando o Mestre, apropria-se do casamento e institui os moldes em que ele deve ser exercido – com muito amor e pouco sexo, todo motivado para a procriação e desviado do prazer sexual. É a palavra, uma vez mais, a contrariar a obra do Criador. É também o conceito de "camas separadas"!

Neste esforço de apropriação do casamento, Jesus teria proclamado: «O Homem deixará seu pai e sua mãe e os dois serão uma só carne (…). Portanto, o que Deus uniu, o Homem não separe!».

Esta contradição de sentimentos, tão radical na condenação da carne como na sua defesa, não tinha outra razão de ser que não fosse a condenação do divórcio – o tal adultério. Dadas as circunstâncias históricas, qualquer coisa me diz que o lobie dos homens tinha interesse neste princípio para evitar que as mulheres lhes fizessem o que eles faziam a elas, já que eles facilmente escapavam ao cumprimento da regra.


Uma passagem dos evangelhos, atribuída a S. Marcos (Mc 10,2-16) refere que Jesus condenou o adultério nestes termos: "O homem que mandar a sua esposa embora e casar com outra, estará cometendo adultério contra a sua esposa. E, se a mulher mandar o seu marido embora e casar com outro homem, ela também estará cometendo adultério.


É o que a Igreja invoca neste domingo nos seus infinitos canais de comunicação, desde os púlpitos mais tradicionais até às transmissões satelitizadas.

Esperemos que ao menos alguns sacerdotes europeus, com verdadeiro sentido de justiça e fraternidade, se lembrem de condenar nesta oportunidade os maiores pecados que hoje se praticam contra as famílias: o empobrecimento, o desemprego, o trabalho precário, a emigração económica…

Entre nós, D. Januário Torgal Ferreira, bispo das Forças Armadas, e D. Jorge Ortiga, Bispo de Braga, já deram uma boa contribuição, mas é evidente que os nossos governantes gostam mais das homilias do cardeal Policarpo.

05/10/2012

Oposição insegura


A imagem acima é uma composição original deste blogue a partir de imagens do Parlamento na sessão de apresentação das moções de censura do PC e do BE. O texto seguinte, em itálico, é do blogue
A MAFIA PORTUGUESA

António José Seguro foi especialmente convidado para um jantar "discreto" num hotel "discreto" em Cascais, no passado dia 17 de Março, a convite de cerca de 1.000 maçons.

Já no ano passado, António José Seguro tinha jantado, também num dia 17 - o número de ouro da Maçonaria - em Leiria, onde participou em diversas iniciativas organizadas pela Loja Maçónica Pisani Burnay daquela cidade.

Agora, em Cascais, através dos membros-maçons da célebre e polémica Casa do Sino (CDS), José Seguro pode estar a preparar as hostes maçónico-socialistas-monárquicas a darem-lhe o apoio financeiro e político para a sua candidatura a Secretário-Geral do PS e futuro Primeiro-ministro, em substituição do já tão controverso e decadente José Sócrates.

O jantar, marcado através da Associação Fernando Teixeira (assim designada em honra 1.º Grão Mestre da Casa do Sino) é uma das muitas iniciativas desta instituição para aproximar "irmãos-maçons" da sociedade civil, e assim preparar-lhes o caminho para a fama e para todos os jogos de bastidores políticos ou de possíveis "influências" no xadrez do poder económico de banqueiros, economistas, jornalistas e poder executivo.

Curioso é José Seguro (JS) ter as mesmas iniciais de José Sócrates (JS), iniciais que representam a força da Juventude Socialista (JS) e, como todos sabemos, os maçons utilizam muitas vezes os seus nomes e iniciais como formas simbólicas de continuidade e repetição da história ou como forma de codificar certos objectivos esotérico-simbólicos.


COMENTÁRIO

Eu acho muito injusta esta insinuação. Já repararam nas iniciais de Jerónimo de Sousa? E João Semedo? A não ser que...

04/10/2012

A palavra cinismo



Desde que os dirigentes de facto e de direito, do FMI e da União Europeia, começaram a discursar sobre os méritos dos países que cumprem os objectivos deles e sobre a eficácia dos mesmos, a palavra cinismo ganhou uma enorme actualidade. Passos Coelho ou Paulo Portas, Victor Gaspar ou António Borges são apenas as caricaturas daqueles cínicos.

Que tenha sido um discípulo de Sócrates a fundar a corrente filosófica da indiferença ao sofrimento, o Cinismo, não é de estranhar.

A imagem foi copiada em DKWlab