Entre a parede e a espada

O que os governos da UE fizeram foi salvar os responsáveis pela crise com dinheiros públicos, numa demonstração clara de quem detém o Poder, para que serve o Estado e a quem servem os governantes.

A opção tomada, injecções massivas de dinheiros públicos para os responsáveis pela crise, independentemente dos diferentes estatutos jurídicos em que assentam as sucessivas transferências, constituem já, e a procissão ainda vai no adro, a maior passagem de dinheiro das classes trabalhadoras para os grupos monopolistas e transnacionais da história do capitalismo.

A crise, ainda no início do seu processo de desenvolvimento, vai bater com violência nas classes trabalhadores e classes intermédias da população, até que os povos assumam o papel que lhes cabe de sujeitos da História e beneficiários do modo de produção.


Excerto de um artigo foi publicado no Jornal do Fundão nº 3.244 de 16 de Outubro de 2008.


A questão que se põe e que explica porque os povos não assumem "o papel que lhes cabe de sujeitos da História", é saber que outro caminho poderão seguir sem cairem num regime armadilhado onde a palavra de ordem é "come e cala-te!".

(E a propaganda "turística" que temos não nos livra deste mêdo).


Em todo o caso também há quem diga que "o caminho se faz, caminhando", o que neste dia 1º de Maio tem duplo significado...

Etiquetas: , , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home