Políticas de saúde

As taxas aplicadas às consultas e tratamentos nos hospitais e centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde, não se aplicam a utentes cujo rendimento médio mensal seja igual ou inferior a €628,83 (entre outros). É justo!

Igualmente justo é informar os beneficiários dos serviços gratuitos, que eles não são realmente gratuitos – são pagos pelos outros cidadãos através dos impostos gerais cobrados pelo Estado. Neste sentido, os hospitais entregam aos utentes uma factura pró-forma, sem propósitos de cobrança.

Curiosamente, em Cuba as receitas dos médicos contêm idêntica informação, com a diferença de que por lá todos os serviços clínicos são gratuitos para toda a gente.

São as contradições do socialismo ou do capitalismo?

Etiquetas: ,

1 Comments:

Blogger antónio m p said...

O tema faz lembrar, necessariamente, a polémica sobre a contratação de médicos cubanos por outros países. Isso acontece também no Brasil e parece-me razoável ponderar este comentário de um brasileiro:
«O fato é que os médicos do Brasil estão incomodados com a vinda dos estrangeiros porque médico brasileiro só quer ser estrela, não querem trabalhar em lugares mais distantes, e quando vão para esses lugares querem ganhar milhões para atender o paciente com arrogância; nem olham na cara da pessoa,achando que são melhores que todo mundo».

09 setembro, 2014  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home