Pic-nic em Paris

(Esta foto, retirada do Google, reproduz fielmente o local apenas; não a situação abaixo relatada)

Até que nos dissesse que era muçulmano, a conversa andou pelas noções de ofensa e de perdão segundo a sua religião, tudo a propósito de estarmos a beber cerveja no pic-nic que improvisámos numa margem do Sena.

Que não era permitido beber cerveja ali! A princípio pasmámos, depois perguntámos: - Mas onde é que está isso escrito?

O segurança apontou para um pequeno cartaz discretamente afixado a poucos metros dos bancos de pedra que nós ocupávamos. Olhamos todos três ao mesmo tempo para o sítio que o homem apontava e lá estava o aviso.

Espantoso: numa cidade ameaçada e atacada violentamente por terroristas, aqueles três pacíficos turistas, tão perigosos como os três pastorinhos de Fátima, eram abordados pelas autoridades para a proibição de partilharem uma cerveja no sítio mais discreto e mais deserto das margens do Sena.

Depois veio a tolerância – desde que não se visse a lata de cerveja – e um início de conversa informal: donde vínhamos, da relação de Portugal com países africanos… É altura de esclarecer que a origem africana do segurança lhe estava estampada na pele, ao que ele acrescentaria ser libanês de origem e muçulmano de confissão religiosa.

Moral ateia da história: o que o homem queria não era exercer represálias pela transgressão alcoólica e nem mesmo converter-nos ao islamismo; queria conversa apenas. E talvez um pouco de cerveja que entretanto se escoara conforme o que estava destinado por mim, pelas minhas amigas e certamente por Alá.

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home