27/06/2008

depois

(foto da Leonor Carneiro)

Depois da estrada que percorro exangue
Tu não estarás, sorrindo, à minha espera.
Quando chegar, sem vida, ao fim da Terra,
verei apenas o rasto do meu sangue.

2 comentários:

fotógrafa disse...

Amigo, por quem é esse pesar?!?
abraço

antónio m p disse...

Pelo que em nós morre, ainda em vida, amiga. Mas não se preocupe: é "apenas" uma profecia. Obrigado pelo abraço. Outro.