20/07/2008

A sagrada família

Assisto na televisão actual às conversas de Marcelo Rebelo de Sousa, de António Vitorino, de Pacheco Pereira... Enfim, a sagrada família social-democrata. E vem-me à memória...

Marcelo Caetano, último ditador português, sucessor de Salazar, defensor da polícia política e da censura, tinha um programa na RTP que se chamava "Conversas em Família". Dizia ele com a pose familiar, simpática, quiçá sedutora dos bons comunicadores:

«Há por aí frequentes queixumes de que não temos por cá informação completa. Nada, porém, do que de verdadeiro se passa e que ao público interesse deixa de ser trazido ao conhecimento dele».

Isto é: o ditador coloca a premissa de que ao regime compete determinar "o que ao público interessa” e, a partir daí, não há falta de informação...

Hoje temos outro regime, este saído do 25... de Novembro de 75. E com ele o poder dominante deixou de escolher os assuntos; escolhe as pessoas que escolhem os assuntos.

1 comentário:

LG disse...

Concordo.
É sempre reconfortante encontrar quem ruma contra a verdade única e oficial...