26/09/2009

meu filme de eleição

2 comentários:

MARIA disse...

A música é uma delícia, a letra está embrulhada numa coreografia de sonho, tão agradável, tão leve, que por um momento voei até aí e fiquei a pairar sobre a página de uma espécie de céu...

Contudo

A algumas palavrinhas da letra, podemos dizer adeus mesmo.
Para isso, sempre terá esta sua amiguita por perto.

Um beijinho amigo

Maria

antónio m p disse...

Obrigado, Maria.
Eu sinto essa proximidade.


Quanto ao assunto do post, não o tome (para já) como uma preocupação comigo próprio senão na medida em que todos morremos um pouco cada dia - como dizia Karl Marx, «Tudo o que se desenvolve caminha para a sua própria extinção». (Ele que recusaria a ideia da extinção da URSS...).

O que nos conforta, a seguir à amizade que nos cerca, é saber que do seio do que se extingue (das experiências que se extinguem, no caso)emergem novas realidades, novas experiências ou descobertas que nos enriquecem e fascinam.

Beijinho, nova amiga.